Acusado de matar homem após tapa será julgado na segunda; membros do Comando Vermelho também vão a júri

Acusado de matar homem após tapa será julgado na segunda; membros do Comando Vermelho também vão a júri

O 1º Tribunal do Júri da de Porto Velho dá início nesta segunda-feira (7) a mais um período de julgamentos de crime contra a vida. Serão 10 processos de acusados de crimes motivados por bebidas alcoólicas, ciúmes, dívidas, rivalidade entre facção, entre outros. Destes, 9 casos são de homicídios e um de tentativa de homicídio.

De acordo com a agenda de julgamentos, o primeiro a ser julgado, já na segunda, será Adriano Fernandes da Silva Neto, que responde em liberdade a acusação do crime de homicídio. Ele foi denunciado por ter matado, com várias facadas, a vítima Francisco de Oliveira, motivado por um tapa no seu rosto desferido pela vítima. No dia do crime, 10 de março desse ano, réu e vítima ingeriam bebidas alcoólicas na Rua Três e Meio, Bairro Nova Floresta.

No terça-feira, sob acusação do crime de tentativa de homicídio, quem será julgado é o réu Cledinildo Dias das Chagas. Segundo a sentença de pronúncia, o réu esfaqueou a vítima Cristiano Gomes. Nesse caso, vítima e réu também bebiam quando começaram a discutir e entrarem em luta corporal, momento que Cledinildo esfaqueou a vítima. O crime ocorreu no dia 30 de março de 2019. O réu responde em liberdade.

O terceiro caso será o de Igor Silva Oziel. No dia 9, ele vai a julgamento sob acusação de ter matado Willian Costa do Nascimento com tiro de arma de fogo. A motivação do crime, segundo o processo, foi o simples fato da vítima encarar o réu. Isso aconteceu no dia 3 de maio de 2018, na Rua Itumbiara, Bairro Jardim Santana.

Dia 10 será realizada a quarta sessão de julgamento. Quem sentará no banco dos réus é Jete Ceide, sob acusação de ter matado Dieuska Alsaint com várias facadas. A motivação do crime seria o relacionamento que vítima matinha com outra mulher (Jaqueline), que o réu também tinha envolvimento. O crime aconteceu no dia 16 de maio de 2019.

Outra semana

Após o julgamento do dia 10, o quinto julgamento acontecerá dia 14. Flaviana Moraes da Silva será julgada sob acusação de, juntamente com seu companheiro Amizael, já falecido, matar com várias facadas Júnior Gomes Evangelista, por causa de uma dívida. Sabendo que Júnior tinha uma atração por Flaviana foi atraído pelo casal, que o esfaqueou e golpeou a pauladas na própria casa da vítima. O fato aconteceu na madrugada do dia 9 de setembro de 2016.

Dia 15, Benevaldo Silva de Souza, preso, por acusação de ter matado o tio, Luciano Pereira. Segundo a pronúncia, o réu foi à casa do parente para cobrar uma dívida no valor de 200 reais. Quando chegou à residência da vítima, aproveitou-se que Luciano Pereira estava dormindo, utilizou-se de um lençol com o qual asfixiou a vítima. O réu, após ver o seu tio morto, furtou o celular. O crime aconteceu no dia 8 de abril de 2019.

Senta na cadeira dos réus, dia 16, Moises Aparecido dos Santos. Ele é acusado de matar Rafael Soares de Castro com vários tiros. Réu e vítima moravam um de frente para o outro. Na madrugada do dia 9 de abril de 2018, eles bebiam juntos quanto o réu saiu para comprar mais bebidas. Ao retornar sentiu falta de seu celular e perguntou a Rafael sobre o objeto, que disse não saber. Diante da resposta o acusado atirou na cabeça da vítima. O crime aconteceu na Rua Liberdade, Centro, da cidade de Nova Califórnia, distrito de Porto Velho, e jurisdição também da comarca de Porto Velho (Processo Criminal n. 0005162-12.2018.8.22.0501).

Dia 17, os réus Ivan Rodrigues da Silva e Douglas da Silva e Silva irão a julgamento popular por crime de homicídio. Eles, que estão presos e pertencem à facção do “Comando Vermelho”, são acusados de matar, por rivalidade, Gilmar Lopes Moreira por pertencer à facção do “Primeiro Comando da Capital”. Segundo a pronúncia há indícios de que a vítima ofereceu aos réus 10 mil reais, que tinha em determinado banco, para não o matarem; diante da oferta, os réus pegaram o cartão e senha. Porém, em vez de deixar a vítima viva, amordaçaram-na, torturaram-na com espancamento, entre outros, até a vítima desmaiar; em seguida deram vários tiros na mesma. Além dos réus são acusados de participarem do crime Eclesiastes Lopes Nascimento (o Darte) e Alex Junior Pinto da Costa (o Júnior). O crime aconteceu no dia 23 de dezembro de 2018, no Ramal do Café, em Extrema, distrito de Porto Velho, e jurisdição da comarca de Porto Velho. Os réus, que vão a julgamento, respondem presos à acusação de homicídio.

Os réus presos Leonir Lemes do Nascimento e Edinilson da Silva Santos serão julgados no dia 21. Os réus são acusados de participarem do assassinato de João Américo Carneiro dos Santos (o Zé do Brejo). A vítima foi morta durante uma tocaia organizada pelos denunciados Agnaldo Valadares, Ronildo Cândido Vieira (foragidos), Edinilson da Silva Santos, Leonir Lemes do Nascimento e um adolescente, mediante o pagamento de 30 mil reais. Além desse homicídio, o grupo criminoso, segundo a sentença de pronúncia, cometeu outros crimes, “especialmente na região de Vista Alegre do Abunã, Extrema e outras regiões circunvizinhas”. O assassinato da vítima João Américo, com 13 tiros, ocorreu no dia 28 de junho de 2017, na Rua México, entre as Ruas Jaci-Paraná e Amazonas, Bairro Nova Porto Velho, no momento em que saía de um escritório advocatício e se dirigia para o seu veículo. A motivação do crime foi desentendimentos por causa de terras e de madeira.

Dia 24 será realizado o último julgamento da pauta do mês de outubro. Quem vai a julgamento é o réu Francimar Felipe de Freitas, sob acusação de matar a sua companheira Estanilada Cavanha Benitez, motivado por uma discussão gerada por ciúmes. De acordo com o processo, o réu segurou a vítima pelo pescoço e bateu com força a cabeça desta contra uma das portas da casa. As pancadas causaram “traumatismo craniano e encefálico, traumatismo complexo de face, insuficiência respiratória aguda, choque neurogênico e morte” da vítima. O crime aconteceu no dia 25 de abril de 2019, na Rua “C”, Bairro Socialista, na cidade de Porto Velho. O réu responde preso.

Todos os julgamentos terão início às 8h30, no Fórum Criminal Fouad Darwich Zacharias.

 

Fonte:rondoniagora.com

Sobre Rafael Rigon