Polícia solucionou 80% dos crimes de latrocínio em Porto Velho neste ano; violência dos bandidos é grande

Polícia solucionou 80% dos crimes de latrocínio em Porto Velho neste ano; violência dos bandidos é grande

Os crimes de latrocínio (roubo seguido de morte ou a tentativa) tiveram redução no primeiro semestre de 2019 na Capital, segundo dados apresentados pelo diretor de divisão da Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio, José Marcos. De janeiro a julho deste ano, foram 8 casos registrados, e desses, três vítimas morreram durante o roubo. Em 2018, 14 pessoas foram vítimas de tentativa de latrocínio consumado ou tentado, e oito acabaram morrendo durante o crime.
Ao analisar os dados, o delegado enfatizou que a delegacia conseguiu um bom resultado na resolução dos crimes chegando a 80% na apuração e na consequente punição penal dos autores. “Eles foram investigados, a Polícia chegou até os criminosos e encaminhou a responsabilização de cada um para que o Judiciário possa apurar e efetivar ação, e consequente punição dos acusados”, disse José Marcos.

O que tem se notado pela Polícia é que os criminosos estão agindo sem pudor na hora de cometer o crime. “A gente percebe no dia a dia, que os criminosos tem pouco respeito pela vida humana, eles querem praticar o crime e pouco se importam com as vítimas. Em muitos casos, um pequeno movimento é o suficiente para o criminoso tirar a vida da vítima. Nosso trabalho é árduo para coibir e investigar quem pratica crimes contra as pessoas de bem”, ressaltou o delegado.

Não reagir durante um assalto, segundo José Marcos, é muito importante para preservar o maior bem da vítima que é a vida. “Nós sempre orientamos a população a não reagir a ação dos criminosos, principalmente se ele estiver armado. Após isso, cabe a Polícia toda a apuração para alcançar e punir esses criminosos. Nós enquanto policiais nos cobramos e somos cobrados pela população, pela imprensa e por nossos superiores. A gente enquanto Polícia, quer uma sociedade pacífica e ordeira onde o cidadão respeite a lei por isso atuamos de forma repressiva ao crime”, orientou o delegado.

As denúncias anônimas da população, ajudam os investigadores a chegar até os criminosos. “Assim como o trabalho do delegado e investigadores é importante para chegar até os autores dos crimes. A ajuda da população também é muito importante para identificar os criminosos. Lembrando que todas as denúncias são checadas e apuradas. Nós agradecemos o apoio da população que sempre confiou no trabalho da Polícia”, destacou José Marcos.

Denúncias com informações sobre o paradeiro de criminosos podem ser repassadas pelo 197 da Polícia Civil ou no 3216-8811 da Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio. Não precisa se identificar.

Casos que marcaram

A jovem Edilania Lopes Neto, 18 anos, foi assassinada com um tiro no peito, durante um assalto na madrugada do dia 13 de agosto do ano passado, ao lado da quadra de esportes na Avenida Mamoré com Assis Chateaubriand, Bairro Esperança da Comunidade, Zona Leste de Porto Velho. Ela se negou a entregar o aparelho celular para um criminoso de 17 anos e foi morta com um tiro no peito.

O vendedor da Oi Welton Gomes Ribeiro, 20 anos, também foi vítima de latrocínio ocorrido na noite do dia 3 de maio deste ano, após reagir a um assalto na Rua Rosalina Gomes, Bairro Mariana, Zona Leste de Porto Velho. O trabalhador tentou imobilizar o bandido de 16 anos e foi morto com um tiro no tórax.

Outro caso que comoveu a população, foi o roubo seguido de morte praticado contra o motorista da Eucatur Alexsandro Garcia, de 39 anos, ocorrido na tarde do dia 14 de novembro, na Rua Esperança, Bairro Renascer, na também na Zona Leste de Porto Velho. A vítima teve sua residência invadida por três criminosos, o cunhado dele reagiu e matou um dos criminosos. Durante a luta corporal, o trabalhador foi atingido com um tiro e morreu dentro de casa.

 

Fonte:rondoniagora.com

Sobre Rafael Rigon